30.6.05

normalmente.
lembrei disso, depois de uma conversa ontem. não há razão para preocupações, é completamente normal. ou para quem acredita em literatura.
eu sim.
"eu era então um sujeito perseguido pela saudade. sempre fora, e não sabia como me desligar da saudade e viver tranqüilamente.
ainda não aprendi. e desconfio que não aprenderei nunca. pelo menos já sei algo valioso: é impossível me desligar da saudade porque é impossível me desligar da memória. é impossível se desligar daquilo que se amou.
tudo isso estará sempre junto conosco. sempre teremos tanto o desejo de refazer o bom da vida como o de esquecer e destruir a lembrança do mau. apagar as maldades que cometemos, desfazer a recordação das pessoas que nos prejudicaram, remover as tristezas e as épocas de infelicidade.
é totalmente humano, então, ser um nostálgico, e a única solução é aprender a conviver com a saudade. talvez, para nossa sorte, a saudade possa transformar-se, de algo depressivo e triste, numa pequena chispa que nos dispare para o novo, para entregar-nos a outro amor, a outra cidade, a outro tempo, que talvez seja melhor ou pior, não importa, mas que será diferente. e isso é o que todos procuramos todo dia: não desperdiçar em solidão a nossa vida, encontrar alguém, nos entregar um pouco, evitar a rotina, desfrutar de nossa fatia de festa."
pedro juan gutiérrez, em trilogia suja de havana.
lagriminhas.

28.6.05

ei, o que está acontecendo?

27.6.05

a estagiária nova não tem classe. say what?

orkut alcagüete geral vai fazer eu me indispor com mais uma pessoa. mas é uma pessoa que não faz diferença, de qualquer forma. puxa vida. classe, estilo, acho que todos deveriam deixar um recado dizendo o quanto eu sou legal e bonita e querida e atenciosa e como eu fico engraçada quando bebo. considerando que apenas duas pessoas passam por aqui com certa freqüência não vou postar mais nada enquanto alguém não fizer uma declaração das minhas qualidades para que eu me sinta melhor. ou diga que beleza não é tudo e que eu sou, at least, inteligente. já vi o mau humor imperando amanhã.
trulilulilá.
charme de gatinha? isso é coisa pra hello kitty.
humpf.
estou começando a pegar implicância.

puxa. tô cansada e é segunda-feira ainda.

trulilulí.
sem internet all day long, no hotel. tão distraída que uma girafa poderia atravessar meu caminho e eu não perceberia. recebo curtos e-mails do meu pai, mas o processo de convencimento está apenas no início. eu não sei entrar no msn web. eu não sei fazer de conta e choro em cafés do centro da cidade e me perco para chegar em cafés no centro da cidade e descobri que odeio o centro da cidade, com as suas calçadas não apropriadas para o uso do salto alto.
eu sou um barril. eu sou aquele brinquedo infantil, pula pirata, sabe? um barril e as pessoas vão colocando as espadinhas e de repente eu pulo do barril porque as espadinhas tão me machucando. eu sou idiota pra caramba, por conseguir pensar nesse tipo de analogia, mas ok. continuando eu tô dentro de um barril. chega com esse negócio do barril. chega. chega com todos esses negócios estranhos que ficam passando e passando na minha cabeça. um dia ainda enlouqueço com meus próprios pensamentos neuróticos-sem-noção-total-desconexos.
e era isso, sabe?
socorro. tem uma deborah louca me perseguindo.

26.6.05

em dois segundos a vida pode desmoronar.

pronto. aquela sensação de estar sufocando novamente. senti saudades. oi sensação horrível, eu senti muita saudade sua. e agora estou sendo punida, pasme, por uma coisa que não fiz. mas os relacionamentos costumam ser assim. a gente acha que tudo vai dar certo e uma coisa pequena, minúscula, sai errado e fode com tudo. é a vida. e sou eu. é como a lei do retorno, acho. só não sei ainda o que eu fiz pra merecer. ou sei e não julgue tão ruim. então. eu vou chorar. eu tô chorando. e vou colocar músicas bem tristes e me entregar. não é ótimo? não é muito ótimo? e não há eu te amo que resolva a situação agora. chega a ser patético. o que eu digo? cara, gosto de você. isso não é o mais apropriado. daí fico pensando como as coisas mudam em uma semana. garoto, você consegue achar que pode ser assim com todo mundo? bem, eu não tô com toda essa moral. é o modo como as pessoas subestimam o dormir junto. muito mais complicado do que transar com alguém. vou olhar no espelho, bem adolescente, morder o lábio e pensar que a culpa é toda minha. ou vou assistir dirty dancing. ou vou ficar aqui sentada esperando um milagre divino, como fazia aos quinze anos. os milagres divinos nunca apareceram, só pra constar. eu tô ouvindo i've had the time of my life. quase tão idiota quanto ser um personagem de seriado americano. apesar de que me sinto meio becky bloom, sometimes.
arrependimento. se matasse eu já tinha morrido duzentas vezes.
vou continuar ouvindo i've had the time of my life. no repeat. mil vezes.

and i would gladly hit the road get up and go if i knew that someday it would lead me back to you.

eu quero que junho termine. se possível, agora. eu quero tomar uma decisão que parece ser tão simples, mas ao mesmo tempo envolve tantas outras coisas e eu não me vejo tão preparada assim. precisa ser tomada, e precisa ser por mim. ok. é o meu tempo agora. eu quero dizer que gosto de maroon 5, na verdade, é minha banda mais favorita do momento porque parece ser tão leve quanto tudo o que eu sinto. acabou a bateria do meu celular e ele nem avisa mais. e ainda assim parece que as coisas caem nas minhas mãos, puft. ao mesmo tempo a sensação é de que algo precisa ser feito. e eu quero saber de onde surgiram todas as lágrimas de sábado porque não é bem o meu tipo chorar de fraqueza, não é bem o meu tipo ficar incomodada com a presença alheia. mas me incomoda, me perturba e é maior, é uma sensação é o cheiro é tudo. eu sei que algo termina quando não suporto mais o cheiro. que perseguição dos infernos.
eu quero dar um pause em tudo o que está acontecendo agora.

25.6.05

ui ui ui.
ui ui ui.
toda ai ai ai.
toda ai ai ai pra caramba demais.

24.6.05

secret hidden places.

recomendo às pessoas que nunca nunca apareçam no shopping se não querem ser vistos/cumprimentados. é importante a pessoa ter noção de que porto alegre é uma província e que o melhor lugar para fazer coisas consideradas erradas pela sociedade é em casa, no quarto, com as cortinas fechadas.
evitando assim constrangimentos, agradeço.
e o que eu tava fazendo no shopping?
ah, segredo.

falando em lugares secretos, eu vou.

23.6.05

para sempre.

e já não sei se há algo mais a perder
quem me dera teus olhos pudessem ver por trás dos meus
agora que nossos mundos estão tão distantes
e mesmo perto de ti,
por mais que estenda meus braços não mais posso te tocar,
não mais sou capaz de esconder
que estou cansado demais pra lutar
e que por vezes eu quis tanto que meu corpo sumisse no ar
só pra não ter que escolher
só pra não ter que voltar... - dance of days / acho que é a sua vez de jogar

lay your hands on me

sabe quando você atende o telefone e sorri?
então, é assim.
ui ui ui.

22.6.05

i escape into your very favourite fearscape.

duas crianças brincando no lobby.
um garotinho pequeno e engraçado que sorri todo o tempo pra mim e coloca a língua e se balança.
ainda bem. nada melhor que uma criança pra fazer o cidadão adulto esquecer de todas as coisas chatas.
minhas costas doem.
as pessoas ficam cada vez mais complicadas.
puxa vida: tem gente que consegue me tirar a alegria em segundos.

de forma que devo esclarecer. ou não. eu não vou esclarecer nada. ora. deixa assim e fim.

pj harvey, tori amos, fiona apple e vódega. me convida.

as panteras recebiam as instruções por rádio, do charlie.
meu chefe manda um e-mail. e não aparece no hotel o dia todo.
ou ele super confia em mim - deveria mesmo - ou não quer ver meu rostinho simpático hoje.

21.6.05

bonito.
muito muito muito bonito.
vai entender.

20.6.05

inhale.
exhale.
breathing.
inhale.
exhale.
ok, breathing.

i need some more medicines. one for the headache, some pills to sleep, something to my stomach and another one for the cramps.

dear diary

minha mais nova diversão é ler todas as matérias sobre o caso schincariol. realmente o momento pelé/edinho já estava cansando um pouco.
tem um senhor que vem até aqui só para ler o jornal no lobby. do lobby. ok sir, won't you buy your own zh?
bem, hoje eu tenho de:
- ir à abrh encaminhar, mais uma vez, meu contrato.
- ir ao banco depositar uns diñeros.
- ir ao banco conversar com a minha gerente - acho que ficará para...outro dia.
- ir à aula, com o trabalho de foto institucional em mãos.
- marcar uma consulta na médica.
- marcar um horário com o maurício.
- passar na farmácia para comprar o antinenê - inadiável.
- marcar minha manicure. por que a unha do dedo indicador direito está quebrando tão rápido? ela vai ter de esclarecer essa dúvida. - não posso fazer isso hoje, o salão não abre às segundas.
acho que basicamente isso. provavelmente não farei nem metade das coisas, apesar do alto grau de futilidade das necessidades, aparecerão coisas muito mais importantes, do tipo:
- conversar no msn com alguém.
- comprar um brownie no shopping. comer o brownie. conversar com os simpáticos do café.
- fazer nada. - dizem que o ócio é muito produtivo.
- conversar ao vivo com alguém.
- tomar um café da máquina. - eu gosto muito de tomar café, sabe?
- olhar as lojas. - diversão é necessário.
além de tudo ainda tenho de arrumar tempo para trabalhar e ir à aula. uma segunda-feira cansativa, como podemos ver.
a música aqui do lobby está num volume alto. alguém deve estar feliz.
acabei de fazer a coisa mais idiota - essa tela de edição está aberta desde às 9:18 . grampeei meu dedo sem querer. por querer, na verdade, já que coloquei meu dedo no espaço para colocar a folha e apertei, mas totalmente inconsciente. puxa vida. vou começar a prestar atenção.
ontem de tarde entrei numa dimensão paralela e acho que não sai ainda. por que tá tudo tão claro no universo?
meu pescoço super travado, um torcicolo horrível, e vim trabalhar de calças jeans. porque todas as outras estavam ou sujas, ou na secadora.
oi segunda-feira.

19.6.05

turn me around

when i see you
i really see you upside down
but my brain knows better
it picks you up and turns you around.

18.6.05

a minha mãe vem me buscar. eba.

então tá, assumo que leio meus arquivos para passar o tempo.

"o que quer dizer

o que quer dizer, diz.
não fica fazendo
o que, um dia, eu sempre fiz.
não fica só querendo, querendo,
coisa que eu nunca quis.
o que quer dizer, diz.
só se dizendo num outro
o que, um dia, se disse,
um dia, vai ser feliz." leminski

influenciada pelo que já passou, hoje eu não consigo ficar quieta. influenciada por tudo o que já foi, se você me pergunta o que eu quero, te respondo com uma precisão absurda. cansei de inventar olhares, segurar as palavras, manter os braços colados ao corpo. eu falo pra caramba e abraço pra caramba e faço caretas pra mostrar que tem alguma coisa acontecendo.
e tem alguma coisa pra acontecer. é a impressão de que a vida tá alí na esquina, só me esperando chegar pra começar.
eu poderia escrever livros de auto-ajuda. né?

early morning

eu adoro lugares charmosos com gente bonita.
e nem ando de t9.
né?

17.6.05

i've caught myself smiling alone

nenhum psiquiatra detectou toc em mim, mas eu sei que tenho. vai ver é que nunca falei sobre isso com alguém. é completamente comprovado por mim mesma, todos os sintomas do transtorno obsessivo compulsivo estão presentes. e tem essa do comportamente padrão, né? é. tem essa. eu busco situações que me façam sofrer loucamente, já sabendo que elas me farão sofrer. ou buscava. eu até gostava, quer saber? e a certeza de que nada mais pode me machucar, porque já fui tão maltratada, nada nada mais vai me fazer chorar agarrada no cobertor é um tanto assustadora. se tivesse asas sairia voando agora. é babaca pra caramba, mas ando me sentindo leve e feliz. feliz feliz feliz. por mais cansada que possa estar. eu ando sorridente e fazendo piadinhas, eu ando declarando meu ciúme abertamente ao invés de internalizar. eu não tenho problemas com as roupas do guarda-roupas e nem ódio da minha imagem, não reclamo por andar de salto e essa sensação de que tudo vai dar certo beira o ridículo, para quem sempre conviveu com meu pessimismo. é novo. ao menos sem sertralina, é uma sensação completamente nova. eu poderia escrever livros de auto-ajuda. eu poderia influenciar pessoas. eu poderia ficar dando sorrisinhos e fazendo caretas todo o tempo. eu poderia ser simpática aos seus amigos, aqueles que detesto. é a velha história de estar guiando - sem saber dirigir - um carro, 200km/h, rumo à parede de concreto sem sentir medo. ou nem isso, vai ver que essa parede nem existe e eu tô apenas aproveitando o vento, com uma echarpe tipo thelma e louise. claro que não consigo evitar o pensamento de que logo tudo isso passa e vem todas aquelas coisas ruins, me transformar numa pessoa chata e ranzinza e cheia de nuvens pretas em cima da cabeça. ok, pode até acontecer. aproveito os bons sentimentos, por enquanto.
mas, quanto à toc, minha mesa tem lugares pré-estabelecidos para as coisas. e ai ai ai se alguém as tira do lugar. e o grampeador precisa ficar exatamente 90º em relação à pasta de valores.
mudando de assunto: eu p-r-e-c-i-s-o de um café. a-g-o-r-a.

16.6.05

you're so young. you're so goddamn young.
and so am i. and so am i.

hora do almoço.

bright eyes é tão bonito.
e eu tenho tanta fome.

you took off your clothes, left on the light.
you stood there so brave, you use to be shy.
each feature improved, each movement refined.
and eyes like a show room.

time take us forward.

eu tô morrendo de sono. e, nesse momento, que n-a-d-a acontece, não passa nenhuma celebridade na minha frente ou um foreign pra conversar, só consigo pensar que um dia vou abrir minha própria empresa e marcar reuniões-almoço para dormir a manhã inteirinha. rá rá rá.

so i say i've been scheduled to work
but i'll call in
and my friend isn't busy , she'd be happy to join me
and maybe my friend and your friend will hit it off
or maybe we will
i'm dying to know

não. o sono não passa. já tentei de tudo.

do you like making out
and long drives and brown eyes and girls
that just don't quite fit in
do you lke them?
so yes
i'll see you there.

i'll see you there.

15.6.05

sim.

o que eu queria mesmo era fazer relações internacionais.
pronto, a meta do dia é ir contando meus segredos. aos poucos.

blá blá blá.
eu tenho essa tristeza sempre que termino de ler um livro. é como se pessoas estivessem indo embora da minha vida, e vou arrastando as páginas finais para mantê-las vivas e me fazendo companhia. não é normal, mas muitas - muitas mesmo - vezes me pego pensando se algo aconteceu comigo ou se li num livro. uma vez perdi a estação do trem, tentando forçar a memória pra lembrar de onde conhecia determinado...personagem, e acabei atrasada meia hora para o trabalho. é, acontece.
caso é que fico triste mesmo. agora, por exemplo, acaba de rolar uma lagriminha que tentei disfarçar com uma fungada e uma careta, mas veio outra e então espreguicei pensando: pára de chorar idiota. eu tô no lobby do hotel e choro porque emma corrigan e jack harper...tá, não conto.
nem todos os livros. quando terminei a ascenção e queda do planejamento estratégico dei um sorriso de alívio. mas, pensando bem, deveria ter chorado, porque minha professora de planejamento - que julgo ser muito mais tonga que eu - acha que as faltas que tenho prejudicam o aproveitamento, terei de fazer a disciplina novamente. sinto dor de estômago, só de pensar quantas vezes na vida terei de receber ordens de pessoas tão, é, vou dizer mesmo, tão incapacitadas. pro inferno, viu? é isso aí, um trabalho, uma construção, mesmo que minha experiência em conciliar faculdade x trabalho não esteja dando tão certo. e mesmo que meu trabalho não seja tão perfeito e realizador, alguma autonomia eu tenho, alguma coisa eu tô aprendendo. se começar a pensar que são oito horas perdidas vou enlouquecer certo. se terminar essa porcaria dessa faculdade e não tiver perspectiva alguma. porra, tô muito indignada. imensurável. eu tava calma e bo-ni-ta, terminando meu livro, mas lembrei do episódio de ontem e tô puta. não se sai por aí dizendo que o trabalho dos outros não vale nada. mesmo que seja secretária executiva do demônio. mesmo que seja catadora de latinhas. esse tipo de coisa me irrita. mas pode ser implicância. deve ser implicância. eu fico muito implicante às vezes.
porque diabos comecei a falar disso?
odeio quando as palavras saem assim e não vou apagar. é mais ou menos isso, de qualquer forma.
ao menos parei de fungar e a lágrimas pararam de cair. eu viro o maior dos lugares comuns quando termino de ler os livros. e daí tenho vontade de me mudar pra londres, porque tudo termina bem lá. ou pra budapeste. puxa, que livrinho. ou morar com nelly o'hara e viver emboletada. só pra não ouvir besteira.
tem um ator aqui, as netas dele moravam no meu condomínio e uma delas é cleptomaníaca. todo mundo tem um segredinho.
e a música do cpm 22 total na minha mente.

you'll be in my heart.

meus conhecimentos em animações disney nunca nunca me enganam.
posso ficar um pouco confusa, mas nunca errada.
então, quéridos, quando eu disse que não era mogli, é porque não era mesmo mogli. nem o rei leão. era tarzan. tarzan.
tenho certeza. absoluta.

14.6.05

a indústria cultural?
os livros de capa rosa - pode ser rosa, roxa, lilás, branquinho... - nunca decepcionam.
impressionante.
pro inferno intelectuais, eu pulei a parte da guerra civil espanhola quando li hemingway. não li o tempo e o vento inteiro e, por gésus: boh-ring. sou apaixonada pelo vale das bonecas. bublegum. gossip girl. e essas coisas que não me fazem nem um pouquinho inferior.
então, cabeludos, guardem suas risadinhas.
"...mas não é só o sexo. É tudo. É o modo como ele estava com uma xícara de chá me esperando quando acordei. É o modo como ele ligou seu laptop especialmente para eu olhar todos os meus horóscopos na Internet e me ajudou a escolher o melhor. Ele sabe todas as coisas horríveis e embaraçosas sobre mim, que eu normalmente tento esconder de qualquer homem pelo máximo de tempo possível...e me ama mesmo assim..." Can you keep a secret? - Sophie Kinsella.
amo tanto. garotinha sorridente apaixonadinha mi mi mi. até os cem anos. me acompanha?

planejamento, redação, café e outras coisas.

hoje é o dia das relações públicas. da profissão. parabéns pra mim e pra todos os rrpps que eu gosto. tomara que morram numa redação xexelena, aqueles que eu não gosto.
grandes empresários: me contratem.
obrigada.

12.6.05

lacônico.

quando eu digo não, é: não.
e essa é a única certeza do momento.


entrar sem bater é feio.

a porta estará fechada pelos próximos dias. e até segunda ordem.

if you wanna bring me down, go ahead and try.


é melhor não chegar perto.

11.6.05

eles dizem: seja você mesmo.

ón.
o importante é a pessoa não negar a sua essência, mesmo que vá contra todos os parâmetros sociais.
u-hum.
a parede se aproxima rapidamente e parece que não sinto medo.

vou colocar minha calça nova.
tchau.

10.6.05

just like an old time movie.
(você não ama subtítulos?)

eu acho que vai dar tudo certo. tudo, tudo. eu, você, essa relação, ele, a outra relação, as relações futuras, as pessoas que a gente vai encontrar por aí, as cabeçadas no muro, quando eu precisar ouvir tua voz, quando você precisar dormir do meu lado, nossas manias, nossas fotos, nossos apelidos, eu te amo eu te amo eu te amo pra sempre, nossa história, tênis, sapatos, roupas, beijos, brigas, gritos, discussão, papel de parede em uma casa nova, quadros, mobília, sonhos, planos, cheques pré-datados, crediário, uma vida de verdade, a minha, a tua, defeitos e toda essa perfeição irritante que nos rodeou por tanto tempo. vai tudo entrar no seu lugar. e então eu vou dar uma gargalhada e alguém chega com uma plaquinha escrito:
the end.

9.6.05

across the night.

oi.
meu nome é deborah e eu durmo pra caramba.

close your eyes, you're beautiful when you're sleeping, tonight may all your dreams come true...

não me odeie.

8.6.05

meaningfull.

o chato é começar a ter ódio das pessoas que te cercam.
tem um espinho imaginário no meu pé que dói de verdade. as coisas imaginárias sempre me afetam, de alguma forma. pra ser bem sincera eu sou a pessoa mais afetada pelas coisas imaginárias, sabe?
ok, outro assunto.
qual assunto?
das pessoas? é que eu odeio que me subestimem. pô, eu posso ser confusa, irritante, ter um senso de humor muito peculiar, mas odeio que pensem que sou incapaz/insuficiente/burra. odeio. e, olha, costumo me dar bem com gente grossa. mas tem uma cidadã na vida que tá me dando nos nervos. o nariz dela tá pendurado no teto, juro. não pode ser mais empinado.
humpf.
vê se eu posso. até rogaria uma praga, mas tenho preguiça.
ontem masquei um chiclé que pinta a língua e ela está azul até hoje.
mas sabe, é um saco mesmo. muito chato esse negócio de superioridade, dos outros. a minha é suportável e engraçadinha. porque eu sou super engraçadinha, menos quando fico de mau humor. porque fico ácida. ho ho ho. ácida é algo deveras divertido de se ficar.
que mais?
o dia dos namorados está chegando. eu quero uma surpresa. uma linda surpresa.
tô chata. chata chata chata. não tenho fome, ou vontade.
um dia, parada na esquina da felipe camarão com a oswaldo aranha eu chorei porque não tinha vontade de fazer nada. as minhas vontades estavam esgotadas.
será que elas esgotaram novamente?
eu preciso comprar um pacote maior de vontades.
lulilulilá.
odeio a roupa que estou usando, meu cabelo tá sujo e tenho sono master. as pessoas devem achar que eu nunca lavo os cabelos.
- tá, mas era só pra preencher o tempo?
- era.
- então por que não colocou uma letra de música que ninguém se dá ao trabalho de ler?
- porque eu queria que alguém lesse, oras.
- te odeio.
- de fato, nem me importo.
e, a propósito, o ódio cresce conforme passam os minutos do meu dia. a vontade é de ir pra casa dormir, mas terei de passar no shopping ainda. comprar um presente. e depois não vou resistir e vou comer um brownie. mesmo sem vontade. e depois vou pra casa, administrar o ódio e arrumar meu quarto que está um lixo.
me odeia?

7.6.05

o bom de trabalhar por aqui é que sempre aparece um conhecido pra fazer uma vistinha. e eu adoro.

would you marry me today?

For June 7: You have a vision of how things should be done. Because you are personally involved in the creation or implementation of a relationship or project, you are uniquely qualified to know what is most appropriate. Unfortunately, you encounter a certain amount of resistance today. Try to remember that everyone involved wants this to work. It’s not about winning, losing or being in control. It’s about manifesting a dream.

o horóscopo da elle nunca nunca mente. todas as desculpas: terei um dia difícil.

5.6.05

black eyed.


silêncio é a meta do dia.

olha, aprendi a colocar fotos.
e, sim, eu tiro fotos de mim mesma.
que franjinha moderna. cobre estratégicamente um olho.
parece que eu tô com o dedo no nariz.


eu. eu e mais de mim.

good luck to you and the queen

Segunda-feira, Julho 07, 2003

a bela adormecida

daí ela saiu correndo, bem longe, num lugar onde ninguém conseguiria achá-la. e correu e chorou - porque ela sempre chora - e se escondeu atrás de uma pedra gigante. de tanto chorar acabou pegando no sono. quando veio um príncipe meio estranho, de piercing e all star vermelho, e viu a menina da saia de princesa dormindo atrás da pedra em cima de uma poça de baba. ele ficou com um pouco de nojo, claro, e teve vontade de rir. mas algo o conteve. então levantou a cabeça dela e colocou no colo, como a menina tem um sono pesado não acordou e se aninhou naquele colo. então eram um principe estranho e uma menina de saia de princesa dormindo atrás de uma pedra em um lugar onde ninguém mais vai conseguir encontrá-los. quem é você para me dizer que isso também não pode ser o começo de um conto de fadas?

consegue entender que isso não pode terminar?
eu tô cansada de chorar.

4.6.05

eu amo estampas de oncinha.

oi. meu nome é deborah e eu tenho problemas. tenho vinte-e-um, sofro de confusão mental generalizada, adoraria parar de trabalhar por alguns meses, adoro salmão grelhado de R$ 3,50, durmo em qualquer situação/lugar, acordo morrendo de vontade de rir, odeio o tatata pimentel, odeio as celebridades de porto alegre, odeio ganhar pouco, adoro vodka/whisky/absinto e seus afins, adoro roupas pretas/brancas e jeans, odeio espinhas, odeio gente que acha que é - quando não, não é, odeio não saber colocar fotos no blog, adoro uma bota de R$ 351 - daria para comer 100 postas de salmão grelhado+5 chicletes que pintam a língua, odeio pagar as contas, adoro massagem nas costas, adoro carinho na testa, odeio cansaço, adoro deitar no sol, adoro escrever meu nome, adoro tatuagens pequenas, odeio piercings que inflamam, odeio chefes chatos, odeio a vivo a claro a tim e a brasil telecom, adoro a colcci e a zara, acho chique swarowski, amo ouro branco, amo cabelo liso, amo olhos fixos e acho que mudar de opinião amanhã não é tão ruim assim.

3.6.05

a página inicial me avisa que o dólar está em R$2,40.
que vontade eu tenho de largar toda essa vidinha idiota e fazer de conta que sou outra pessoa em outro país com o cabelo pintado de rosa sem escovar.
eu quero viver na novela américa. me convida.

ui ui. tô meio de saco cheio.
e com vontade de tomar uma decisão drástica. acho importante que a pessoa tome medidas drásticas de vez em quando. mesmo que eu não faça isso nunca.

ui ui.
quero achar oito mil dólares no chão. agora.

2.6.05

i'll be yours when you don't kiss me.

eu caio espontaneamente dentro de buracos, só pelo prazer de ficar incógnita.
os sorrisos que distribuí nesses últimos dias são fruto de uma disfunção hormonal, que já passou.
de cabeça para baixo num sofá de dois lugares, eu quero ficar sozinha com o drama que acabei de criar. só pelo prazer de chorar.

aleatória

faz parar.
faz pa-rar a-go-ra.
cheguei em casa, deitei e dormi. dormi. eu tenho dormido nas horas mais impróprias, mais idiotas, mais acordadas de todos os tempos.

vou tomar um banho e ver se passa.

quero comer uma coalhada no habib's. só pra constar.

quero uma bota de R$351.

quero que o detran morra.

quero muitas coisas, mas que meu vizinho de cima pare de trocar os sons de seu celular é a mais imediata.

1.6.05

erase and rewind
sem maiores interpretações, só porque eu tava no orkut agora.
a questão é: para onde vão os testemoniais/escrépes dos namorados quando o relacionamento acaba?
para onde vão as demonstrações de carinho e afeto e os apelidos constrangedores que cem em cada cem casais possuem?
pra onde vão os eu te amo escritos, os bom dia meu bebê e essas coisinhas?
conheço pessoas que deletaram. conheço pessoas que os mantêm.
que coisa.
não dá pra apagar as coisas da vida. então sou da opinião que apagar é para os fracos.
não há conclusão, porque isso é apenas uma constatação.
vou parar de olhar pro teto e pensar a respeito.

you're not a star until they can spell your name in karachi

vamos excluir o fato de que alguém acha que me ama.
eu poderia falar sobre isso. sobre o fato de alguém achar que me ama e tornar isso anonimamente público. eu poderia ficar nervosa, mas, let's face it, deve ser alguma amiga engraçada que eu tenho. minhas amigas são muito espirituosas e de fato me amam. são poucas, por isso tenho certeza. o orkut mente, não tenho tantos amigos assim. e duvido que conheça tantas pessoas. e duvido que metade me ame, até porque sou meio difícil de se lidar com.
mas é isso aí, na internet as pessoas sempre acham coisas e quase nunca são verdadeiras. atire a primeira pedra aquele que nunca se apaixonou por uma mensagem piscando na tela e depois descobriu que, bem, não era beeem assim.
disse que não ia falar sobre isso. não vou.
posso falar que fui dormir cedo ontem. bem cedo. posso falar que comi pipoca com chocolate. posso falar que hoje é o primeiro dia do mês e meu pai precisa depositar logo a mesada antes que minha conta exploda, porque salário só segunda. é, mesada e salário. o problema é to-do meu. mas não quero falar sobre nada disso. quero falar sobre amor e essas coisinhas bobas. só que no começo disse que não falaria.
então só digo que o motorista novo deixou o casaco aqui na minha cadeira e, ón ón, que cheiro bom.
essa coisa com cheiros tem de parar. tem de parar.
poderia fazer um capítulo sobre o motorista novo. mas não vou. é que história dele é tão interessante.
ok, chega de incomodar a tela de edição. vou olhar pro teto.