30.10.05

esse espelho mostra outra pessoa.
não eu.

29.10.05

monstro.

certas coisas não tem explicação, sabe?
e eu me seguro, as mãos bem bem próximas ao corpo. antes que pegue no sono, de novo. antes que aquele pensamento bobo passe pela minha cabeça. antes que o silêncio não incomode. eu não posso me acostumar. nem muito tão pouco achar que gosto.
voltando aos mantras: melhor correr, pra gastar a energia.
e negar faz parte de um processo de auto-defesa que aprendi na terapia.

27.10.05

eu nunca estive tão enjoada na vida.
é sério.
muito em breve gravarei um cdzinho só com bandas gaúchas. agora que coloquei o emule aqui: ui ui ui.
la la lá.
é que eu só quero brincar com você...
simultanemente baixo as músicas do tramavirtual.
nerd é foda.
mas eu nunca mais vou beber alcoólicos na vida.
é sério.
é idiota: mas sempre penso que tô falando com o futuro, quando telefono para estados que fazem horário de verão.

e eu vou sair por aí contando pra todo mundo que sou bipolar.

26.10.05

eu amo estampas de oncinha.

oi. meu nome é deborah e eu tenho problemas. tenho vinte-e-um, sofro de confusão mental generalizada, adoraria parar de trabalhar por alguns meses, adoro salmão grelhado de R$ 3,50, durmo em qualquer situação/lugar, acordo morrendo de vontade de rir, odeio o tatata pimentel, odeio as celebridades de porto alegre, odeio ganhar pouco, adoro vodka/whisky/absinto e seus afins, adoro roupas pretas/brancas e jeans, odeio espinhas, odeio gente que acha que é - quando não, não é, odeio não saber colocar fotos no blog, adoro uma bota de R$ 351 - daria para comer 100 postas de salmão grelhado+5 chicletes que pintam a língua, odeio pagar as contas, adoro massagem nas costas, adoro carinho na testa, odeio cansaço, adoro deitar no sol, adoro escrever meu nome, adoro tatuagens pequenas, odeio piercings que inflamam, odeio chefes chatos, odeio a vivo a claro a tim e a brasil telecom, adoro a colcci e a zara, acho chique swarowski, amo ouro branco, amo cabelo liso, amo olhos fixos e acho que mudar de opinião amanhã não é tão ruim assim.

recordando para viver, eles dizem.

recordar é viver, eles dizem na propaganda.
ah, espera só eu fazer minha biografia....

30.06.05
normalmente
lembrei disso, depois de uma conversa ontem. não há razão para preocupações, é completamente normal. ou para quem acredita em literatura.
eu sim.
"eu era então um sujeito perseguido pela saudade. sempre fora, e não sabia como me desligar da saudade e viver tranqüilamente.
ainda não aprendi. e desconfio que não aprenderei nunca. pelo menos já sei algo valioso: é impossível me desligar da saudade porque é impossível me desligar da memória. é impossível se desligar daquilo que se amou.
tudo isso estará sempre junto conosco. sempre teremos tanto o desejo de refazer o bom da vida como o de esquecer e destruir a lembrança do mau. apagar as maldades que cometemos, desfazer a recordação das pessoas que nos prejudicaram, remover as tristezas e as épocas de infelicidade.
é totalmente humano, então, ser um nostálgico, e a única solução é aprender a conviver com a saudade. talvez, para nossa sorte, a saudade possa transformar-se, de algo depressivo e triste, numa pequena chispa que nos dispare para o novo, para entregar-nos a outro amor, a outra cidade, a outro tempo, que talvez seja melhor ou pior, não importa, mas que será diferente. e isso é o que todos procuramos todo dia: não desperdiçar em solidão a nossa vida, encontrar alguém, nos entregar um pouco, evitar a rotina, desfrutar de nossa fatia de festa."
pedro juan gutiérrez, em trilogia suja de havana.

25.10.05

kiss me like you meant it.

ai ai, eu diria.
ai ai, viu?

24.10.05

que sensação estranha.
é como ter certeza que uma coisa vai acontecer e estar só esperando por ela. esperando e esperando.
chega logo, por favor.
e, ahn, eu tenho essa mania de escolher. por isso só como as balas de goma vermelhas.

b-a-n-a-n-a-s.

i'll take you to the candy shop
boy one taste of what i got
i'll have you spending all you got
keep going 'til you hit the spot...

é. essa música super educativa não sai da minha cabeça.

twenty hunfred different attributes
always not the kind you like
twenty ways to see the world
twenty ways to start a fight.

eu não vou nos strokes - onde todo o mundo estará - porque não estou em portoalegre.
humpf.

23.10.05

a gripe do frango, a aftosa, a vaca louca.
ask me if i care.
well, i don't.
então, como já sabemos de antemão, essas palavras não serão sobre tais assuntos. tão pouco a crise política, porque eu só discuto política com quem sabe discutir. saber discutir - sem abraçar o ponto de vista paternalmente - é uma dádiva. nem sobre a maravilhosa coluna do mainardi dessa semana. espetacularmente engraçada. tio, eu caso.
pode ser sobre os meus medos e os meus receios e os meus anseios - a rima receio/anseio deveria ter sido mais explorada na literatura. pode ser sobre a dificuldade de achar chicletes realmente atrativos numa capital pequena. pode ser sobre o desafio de estar longe de casa. mas todo mundo sabe que desafio não é bem a palavra do momento porque, convenhamos, não está sendo tão desafiador. horóscopo é outro tópico que me agrada, visto que a primeira coisa que faço quando conheço alguém é entrar no chart da página da elle americana para ver a compatibilidade de signos. ou sobre o peso da idade - a noite, sem óculos, não enxergo muita coisa. sobre a evolução percebida analisando gerações distintas em uma mesma família - não, isso não. numa era de casais separados há margem para muitos erros.
eu não gosto de gente analfabeta. não os analfabetos totais, mas os parciais. os que foram até um pedaço da escola e depois, por motivos que não me interessam, tiveram de desistir. que escrevem tudo errado. sabe o tipo? eu não gosto. e não estou me importando nem um pouco com a desigualdade social. é uma preferência particular.
sobre nada, na verdade. acho que estou um pouco sem vontade.
mas gostaria de lembrar de alguma coisa muito interessante para contar a mim mesma. uma forma de auto-distração, já que tenho alternado momentos de euforia com momentos de tristeza profunda. tento acreditar no profundo poder do auto-conhecimento, e em como isso me fará bem, e faria à outras pessoas - se fossem inteligentes o suficiente para colocar o hífen. ou o zoloft.
mas engorda.
uma vida é só uma vida. só uma. se eu não agir de acordo com as minhas convicções - e quem está completamente certo para julgar a certeza de minhas convicções? - o que vai sobrar? frustração. desamparo. tristeza.
a gente escolhe o caminho que nos parece mais correto.
dá pra acreditar que ainda exista quem pega o mais esburacado para se gabar das dificuldades e apontar àqueles que só procuram viver bem?
eu quero um tapete voador.

21.10.05

o blogger levou embora tudo o que eu tinha escrito.

não vou escrever novamente.

blogger, sabe ódio?

yo tengo.

20.10.05

sr. bebê: te amo te amo te amo. e sinto tanta falta.

a conversation that can choke you out
it´s something that´s really going on
last chance to rolling around on the floor
it´s something that´s really going on
bet you never tought!

19.10.05

strawberrie ice cream.
eu não gosto de atividades físicas. nenhuma. nenhum tipo. posso passar horas muda, quieta, calada e isso não vai querer dizer que estou de mau humor. posso te abraçar sem nenhum motivo maior. eu rezo de noite. todas as noites. menos quando bebo demais. daí nem a roupa eu tiro. odeio escovar os dentes antes de dormir. odeio mesmo. gosto muito de escovar os dentes várias vezes ao dia - pra compensar, acho. eu choro demais. demais mesmo. eu choro tanto que irrito as pessoas com o meu choro. vê a diferença? eu corrijo as pessoas. eu absorvo os sotaques. eu sinto saudades. eu tenho medo. eu dirijo mal. eu leio rótulos de shampoo. eu leio qualquer coisa. eu sorrio pras pessoas na rua. eu faço birra. eu peço colo. eu bebo vodka achando que é água. eu bebo whisky achando que é água. e depois de um tempo eu bebo até água achando que é alcoólico. eu me escondo no cinema. eu ignoro. eu tento. e nem sempre consigo. eu já acordei sem saber onde estava. eu já fui a pessoa mais feliz do mundo. eu tenho a triste mania de comer chocolate derretido misturado com creme de leite. eu já vi o mickey. a minnie. o pateta. eu já fui assaltada. eu tomo banho demorado. eu tenho tatuagem. eu já tive piercings- mas piercing é coisa pra jovem. eu quero ter filhos. eu quero conhecer a europa. eu quero ter dinheiro suficiente pra não ter preocupações. eu decepcionei pessoas. já me decepcionaram também.
mas, sabe, agora, nesse momento, eu só queria companhia. infelizmente apenas cinco pessoas no mundo preencheriam o vazio que eu tô sentindo, e elas estão longe.
vou esconder as lágrimas no travesseiro. porque se a gente dorme o amanhã chega mais rápido. e o sol costuma espantar a tristeza.

estatísticas.
foi comprovado: meninas de quase vinte-e-dois que dormem abraçadas à suínos de pelúcia não representam mal algum para a sociedade em geral e merecem ser extremamente bem tratadas, considerando o altíssimo grau de carência que apresentam.
se foi comprovado deve ser obedecido.
e meu cabelo continua se comportando de maneira peculiar, visto que não tenho usado secador.
aperriar é o verbo do momento.

16.10.05

bem, você sabe. não. não sabe. mas, ok, tô sem fazer nada mesmo.
eu acho que o orkut me boicota. só a mim. eu sei, vejo as pessoas alardearem o bad bad server. mas comigo é só em casos extremos, por exemplo: fuçar a vida de biscas. eu preciso me certificar de que foram ciscar em outro terreno, mas o orkut não deixa!
é. só tem mesmo esse caso extremo.
e eu que fui em um show de marcelo d2? fui. de vestido curto e sandália rasteira. ainda assim os mais observadores perceberam que não sou nativa. reparando, entendi: o vestido não era suficientemente curto.
falando em suficientemente curto: por ser muito calor, a mulherada precisa arejar? i really don't think so. se o plano fosse namorar um paraíbano - não, não é - já sairia perdendo: minhas saias tem a barra nos joelhos.
o show. eu não tenho muito o que dizer sobre. eram dois: d2 e kid abelha. paraíba music festival. kid abelha eu gostei, apesar de ter chegado na metade. importante: dose - grande - de martini: R$1,50. dá pra ficar completamente bêbado com, digamos, vinte dinheirinhos. por isso os gringos se passam no bronzeado: bebem caipirinha em real, pagam em euro, e acabam adormecendo na praia. o preço é justo, porém irrisório se comparado ao de outras capitais brasileiras.
eu digo capitais brasileiras. que culta.

mais: falando em capitais, a austrália tem se mostrado uma bela opção. apesar da passagem caréssima, o câmbio fica, mais ou menos, R$1,80 e o trabalho é legalizado. dizem que tem emprego. taí, austrália.

e a desconfiguração nesse computador tem data de ínicio. engraçado: confere com a data de chegada da minha passagem.

saudades - fora do horário de verão.

11.10.05

ah.
na minha casa tem bagunça, tem gente entrando e saindo, tem todo o tipo de comida que engorda, tem louça na pia, tem gritaria, tem gente falando, tem cheiro de doce.
e eu sei que a melhor coisa do mundo é voltar pra lá, deitar na cama grande da minha mãe, olhar o teto e pensar: a vida é boa. porque a minha casa, minha mesmo, é lá.
mas a vida acontece do lado de fora da porta, então é melhor ser forte.

e os mantras costumam funcionar comigo.

ei, hoje começa meu inferno astral.

3.10.05

missing.

i gave you all the love i got
i gave you more than i could give
i gave you love
i gave you all that i had inside
and you took my love
you took my love
i keep tryin’
i keep tryin’ for you
there’s nothin’ like you and i
baby this is no ordinary love
no ordinary love
this is no ordinary love
no ordinary love

e dá-lhe deftones.

agora sim, eu tô ficando triste.
e não sei se é triste, ou ansiosa.
eu, na verdade, não sei.
de qualquer forma vou lá desfilar meu cabelo novo para bibas e afins desta bela cidade.
em uma semana estarei no ponto mais oriental do brasil. nhé.
me espera. me espera. me espera.
cabelo novo-vo-vo-vo-vo.
nhé nhé.